“A corrupção é adotada para ajudar as pessoas a progredir”, diz Clayton Christensen em novo livro

A corrupção é adotada para ajudar as pessoas a progredir

Clayton Christensen é o inventor do conceito de “inovação disruptiva”. Sua teoria foi apresentada no livro O Dilema da Inovação, de 1997, e revolucionou o mundo dos negócios. Professor da Universidade Harvard, aos 66 anos, Clay ampliou o alcance de sua ideia, aplicando-a às nações. E é justamente sobre esse tema sua nova obra The Prosperity Paradox – How Innovation can Lift Nations Out of Poverty (“O Paradoxo da Prosperidade – Como a Inovação Pode Erguer Nações da pobreza”, em tradução livre). Lançada hoje nos Estados Unidos pela editora Harper Business, ainda não tem data para chegar ao Brasil.

Leia Mais

Assinatura com curadoria é a grande oportunidade para oferecer alimentos na internet

Assinatura com curadoria é a grande oportunidade para oferecer alimentos na internet
Assinatura com curadoria é a grande oportunidade para oferecer alimentos na internet

No mundo do comércio eletrônico, vender comidas e bebidas ainda é um desafio. É o que sugere um estudo do instituto americano de pesquisas Morning Consult. Entre os 33% dos americanos que compram esses itens pela internet, 62% adquirem poucos produtos de cada vez. Os dados levantados sugerem que isso poderia mudar se as empresas investissem em assinaturas que incluem algum tipo de curadoria — 21% dos entrevistados estão dispostos a pagar por serviços desse tipo, mesmo arcando com o frete. 

Leia Mais

O Chile deve seu milagre econômico ao governo Pinochet?

O Chile deve seu milagre econômico ao governo Pinochet?

A decisão coincidiu com a chegada ao poder do governo militar de Augusto Pinochet, em 1973. Quando a ditadura acabou, em 1990, o Chile continuou desfrutando de uma rica prosperidade econômica comparado ao restante da América Latina.

Por isso, não surpreende que até hoje o assunto ainda divida opiniões.

Para se ter uma ideia, o Chile atingiu um crescimento de 4,8% no primeiro semestre de 2018, o maior da América Latina, e o FMI (Fundo Monetário Internacional) estima que, em 2022, o país será o primeiro da região a alcançar um PIB per capita de US$ 30 mil (R$ 111 mil), patamar semelhante ao de nações europeias, como Portugal e Hungria.

Leia Mais

Cachorro robô promete eficiência e segurança na entrega de encomendas

A companhia alemã Continental é conhecida por vender pneus e artigos automotivos. Na feira de tecnologia CES 2019, em Las Vegas (EUA), um produto (bastante) diferente levou os visitantes ao estante da marca: um cachorro robô autônomo que promete entregar encomendas com eficiência e segurança em uma cidade inteligente.

Segundo a Continental, o objetivo dos cães é agilizar a última etapa da cadeia logística da empresa — entregando os pacotes, se possível, nas mãos dos clientes.

Leia Mais

Os varejistas estão desperdiçando sua arma mais poderosa

Os varejistas estão desperdiçando sua arma mais poderosa

Enquanto lutam pela sobrevivência na era do comércio online,varejistas de lojas físicas estão adotando uma estratégia antiquíssima: cortar gastos com os funcionários. No segmento de lojas de departamentos dos EUA, por exemplo, o número de funcionários por loja caiu mais de 10% na última década, enquanto o salário por empregado caiu 4%. E a folha de pagamento não é a única coisa que está sendo desbastada: também o orçamento de capacitação foi cortado. Uma pesquisa da Axonify, fornecedora de software de treinamento, descobriu que quase um terço dos vendedores de lojas de varejo não recebe treinamento formal — o maior déficit de todos os setores pesquisados. Deixar as lojas com poucos funcionários e com treinamento insuficiente nunca foi uma boa ideia, mas é especialmente ruim agora, porque tira a maior vantagem das lojas tradicionais em relação aos e-varejistas: uma pessoa de carne e osso com a qual o cliente pode conversar cara a cara e ao vivo.

Leia Mais

Blockchain: entenda a tecnologia que passa a fazer parte da vida de empresas, governos e indivíduos

Dolfi Müller, prefeito da cidadezinha suíça de Zug, lembra-se bem do dia em que dois nerds apareceram na prefeitura com a ideia de criar ali um “Criptovale”. Pensavam numa especie de Vale do Silício da criptografia e da tecnologia blockchain. “Esse OVNI aterrissou na cidade em 2013”, conta o prefeito, usando o avistamento de discos voadores como metáfora para seu assombro. “Inicialmente, não reagimos. Criptovale? Blockchain? Nem sabíamos o que era isso. Dissemos: ‘Ok, algo novo’.” Os nerds em questão eram uma dupla chamativa — o sul-africano Johann Gevers, extremamente ruivo, alto e magro, e o dinamarquês Niklas Nikolajsen, que cultiva cabelo e bigode ao estilo século 17, ambos criadores de startups. Instalaram-se em Zug com o objetivo de criar um ambiente perfeito para microempresas do segmento em que atuavam. Aos poucos, aconteceu. Startups de vários países começaram a chegar, espalhando-se num raio de 30 quilômetros. As primeiras foram Monetas (a empresa de Gevers), Bitcoin (onde trabalha Nikolajsen), Ethereum, Tezos e Xapo. Hoje, há cerca de 200 empresas na área.

Leia Mais

9 de 10 pessoas estão dispostas a ganhar menos dinheiro para realizar um trabalho mais significativo

Em sua introdução do livro Working, a histórica narrativa oral do trabalho de 1974, Studs Terkel posicionou o significado como uma contrapartida igual à remuneração financeira na motivação do trabalhador norte-americano. “[O trabalho] constitui uma busca … tanto pelo significado diário quanto pelo alimento diário, tanto pelo reconhecimento quanto pelo dinheiro, pelo assombro em vez do tédio”, escreveu. Entre os “poucos que eram felizes”, conheceu algumas pessoas que realmente gostavam de trabalhar e observou um atributo comum: “viam um significado em seu trabalho além da recompensa salarial”.

Leia Mais

Qual o valor de uma venda cognitiva

Vivemos em uma era dinâmica com relação à informação. As informações que nos servem como parâmetros ou premissas para uma decisão hoje podem estar desatualizadas em uma semana, um dia ou até mesmo no tempo que levaremos para ler este artigo.

Da mesma forma, quando conduzimos uma interação de negócios, precisamos ficar atentos às nuances transformacionais que podem nos levar a uma decisão inadequada.

Leia Mais

Opinião: 2019 não será um ano fácil para estes 6 líderes

Opinião: 2019 não será um ano fácil para estes 6 líderes

2018 foi um ano marcado por grandes crises em grandes negócios. Enquanto alguns escândalos e conflitos já viram a poeira baixar, outros devem continuar a assombrar executivos e líderes em 2019. Abaixo, listamos seis líderes empresariais ou governamentais que devem enfrentar desafios – novos ou não – este ano.

Leia Mais

O feedback nas avaliações 360 graus deveria ser anônimo

O feedback nas avaliações 360 graus deveria ser anônimo

Mas era evidente quem havia feito os comentários negativos na avaliação de um executivo.

Lance Best, CEO da Barker Sport Apparel, estava reunido com Nina Kelk, diretora jurídica da empresa, que também supervisionava o departamento de recursos humanos. Havia sido um longo dia na sede da companhia em  Birmingham, Inglaterra, e no início da noite os dois estavam lendo as avaliações de cada um dos subordinados de Lance.

Leia Mais

O alto custo da eficiência

Eliminar o desperdício é o santo graal da ciência da gestão, mas enfatizá-lo causa uma infinidade de problemas. As empresas deveriam dispensar a mesma atenção para a resiliência.

Em seu trabalho referencial de 1776 A riqueza das nações, Adam Smith mostrou que divisão inteligente de trabalho poderia tornar as empresas comerciais extremamente mais produtivas se cada trabalhador assumisse pessoalmente o encargo de construir produtos acabados. Quatro décadas depois, em Sobre os princípios da economia política e taxação, David Ricardo estendeu esse argumento. Segundo ele, como os trabalhadores portugueses produziam vinho com mais eficiência e os trabalhadores ingleses eram mais eficientes na fabricação de tecidos, ambos os grupos trabalhariam melhor se cada um focasse em sua área de vantagem competitiva e se ambos negociassem entre si.

Leia Mais

36 startups para você ficar de olho em 2019

36 startups para você ficar de olho em 2019

Ideias novas surgem a cada minuto em todos os lugares do mundo – e muitas delas se transformam em negócios que, mesmo pequenos, almejam transformar as nossas vidas e o planeta. A empresa de inteligência de mercado CB Insights divulgou, no relatório “Game Changers 2019”, as 36 startups que devem chamar atenção no próximo ano e abalar seus setores.

A preocupação com a sustentabilidade está em boa parte delas, assim como as inovações promovidas pela inteligência artificial e suas novas – e até então inexploradas – aplicações. Confira todas as startups selecionadas pela CB Insights:Inteligência artificial quântica

Leia Mais

Conheça as profissões que estarão em alta no Brasil em 2019

Conheça as profissões que estarão em alta no Brasil em 2019

Profissionais versáteis, bem relacionados e que acompanham as mudanças tecnológicas de forma integrada serão ainda mais disputados pelas empresas em 2019, segundo mapeamento das carreiras mais promissoras, feito pelas consultorias PageGroup e Robert Half. 

Com a evolução dos meios digitais e desdobramentos da Lava Jato, as áreas de compliance, desenvolvimento e marketing ganharam evidência — em meio a expectivas de recuperação da economia e de aquecimento do mercado de trabalho no primeiro trimestre de 2019.

Leia Mais