Kondzilla quer dominar funk além de clipes

kondzilla

A cada segundo, 254 pessoas clicam em um dos clipes de funk feitos por Kondzilla. Com 5,5 bilhões de visualizações, ele superou os desenhos da Galinha Pintadinha e se tornou, desde o início de abril, o maior canal do YouTube no Brasil em número de views.

“O normal é que todo vídeo tenha 1 milhão de views em 24h”, conta Konrad Dantas, o Kondzilla.
Veja os vídeos acima e abaixo e conheça os 5 fatores que levaram Kondzilla ao topo nesta lista e nos depoimentos em sequência.

Na casa de dois andares trabalham 35 funcionários, fixos e freelancers, gravando ao menos dois vídeos simultaneamente. Cada produção custa a partir de R$ 50 mil. O chefe tem 28 anos e pensa grande. Agora também é agente de artistas para shows (Guimê, Bin Laden, Kevinho e Tati Zaqui no casting). Começou a empresa no seu quarto e quer abrir escritórios “até em Marte se tiver uns marcianos querendo fazer clipe”.

No mercado de sucessos efêmeros como o funk de SP, Kondzilla se consolida como uma marca mais duradoura e forte do que qualquer MC. Imagine: um fã do batidão assiste um clipe assinado por Kondzilla, publicado por Kondzilla, de um artista agenciado por Kondzilla, que ele conheceu no site de reportagens do Kondzilla, usando boné, camisa, bermuda e acessórios do Kondzilla. Antes, vê no YouTube um comercial dirigido por… Kondzilla (ele foi contratado pela produtora Conspiração para ajudar a conceber comerciais). Tudo é fruto de:

1 -Obstinação: Ele diz que não começou “do zero”, mas do “menos cem”. “Sou negro, da favela, sem sobrenome italiano”. Estudou vídeo com recurso que a mãe deixou após morrer.

2 – A sacada do público: Achou no funk um “nicho gigante” após ver um clipe feito em “celular Motorola v3, em cima da laje, batendo com a palma da mão, com 7 milhões de views”.

3 – Linguagem certa: Fez clipes como entretenimento para jovens de comunidade. Explodiu com a estética da ostentação. “Para eu ver o sofrimento, era só abrir a porta da minha casa”.

4 – Modelo de negócios: Transformou seu canal no ponto central do funk no Brasil. “Somos mídia. A gente só produz se for lançar no nosso canal, e só lança no canal produção nossa”.

5 -Marca poderosa: Seu nome supera o de MCs. Agora Kondzilla também agencia artistas e quer ser “o maior comunicador com jovens de comunidade do Brasil”. “Quero e vou ser”.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *