Será que vale a Pena Desenvolver Jogos 2D?

engines

Muitas pessoas acham que jogos 2D estão fora de moda, que tem um público restrito, ou que é apenas algo retrô, o que não é verdade.

Eu posso citar vários jogos que são populares e que fizeram sucesso no mercado mundial, títulos como Machinarium (2009), Braid (2008), Minecraft (2009), Angry Birds (2009), Super Meat Boy (2010), Limbo (2010) e FEZ (2012) e isso é só a ponta do iceberg, pois citei apenas jogos de um passado recente.

Jogos 2D existiram no passado, continuam no presente e acredito muito no seu desenvolvimento em massa no futuro, e vale lembrar que a era dos games teve seu início usando esse tipo de jogo, se bem que não tinha outra opção não verdade?

Nas décadas de 1950 até o início de 1980 todos jogos eram 2D até que em 1983 surge o primeiro jogo 3D o I, Robot. E na minha opinião ele é um jogo 2D com uma manipulação de câmera diferente da época, mas ele é considerado um primeiro jogo 3D, (não me perguntem se o jogo era bom, pois apesar de ter 42 anos eu nunca joguei).

Mas, com toda a tecnologia que temos hoje por que desenvolver jogos em 2D e não em 3D? É importante ressaltar que muitos jogos 2D atualmente são sucesso tanto de crítica quanto de vendas superando muitas vezes jogos desenvolvido em ambientes 3D, isso ocorre por causa de alguns aspectos importantes que devem ser levados em consideração quando o assunto é desenvolver jogos, são eles: »Continue lendo – Será que vale a Pena Desenvolver Jogos 2D?…

Google Translate usa redes neurais por tradução melhor e mais humana

ap_resize

O Google Translate está liberando um upgrade importante que promete traduções de idiomas mais parecidas com as feitas por pessoas.

O Google está otimista com a sua tecnologia Neural Machine Translation, alegando que esse é um upgrade maior para o serviço do que tudo que foi alcançado nos últimos dez anos.

A gigante de Mountain View está liberando as melhorias para oito pares de idiomas nas buscas, nos apps do translate, e no site do serviço. Você conseguirá encontrar a nova tecnologia por trás das traduções entre inglês e português, francês, alemão, espanhol, chinês, japonês, coreano e turco. Segundo o Google, essa lista compreende mais de 35 de todas as solicitações de idiomas.

O diretor de produtos do Google Translate, Barak Turovsky, afirmou que o novo sistema olha para frases inteiras em vez de apenas traduzir uma palavra por vez. Muitas vezes, palavras não possuem uma tradução direta de uma língua para outra. Por isso, essa nova abordagem pode fornecer um resultado mais próximo de como as pessoas realmente se comunicam. »Continue lendo – Google Translate usa redes neurais por tradução melhor e mais humana…

Google está usando inteligência artificial no seu Player de Músicas

google_play_music

O Google decidiu recorrer ao aprendizado de máquina para tornar o Google Play Música ainda mais inteligente e prestativo. Agora o serviço Agora, vai poder combinar as preferências do usuário com dados como a sua localização, atividade e clima para sugestão de playlists adequadas para o momento.

Ao ativar o recurso, o usuário passará a ter sugestão de músicas para relaxar, quando chegar em casa, para malhar, quando entrar na academia, para concentração, quando estiver na biblioteca. O serviço aprenderá com as preferências e os hábitos do usuário para aumentar a precisão das sugestões.

A nova experiência começa a valer a partir de hoje, em 62 países onde o serviço está disponível, incluindo o Brasil, para dispositivos Android e iOS e também para a interface web. »Continue lendo – Google está usando inteligência artificial no seu Player de Músicas…

Google vem trabalhando em integração mais profunda entre hardware e software

google-pixel-5

No início deste mês tivemos a notícia de que Google pretende desenvolver seu próprio hardware para os futuros smartphones da linha Pixel. A empresa poderia cortar a sua dependência da Qualcomm. Infelizmente não foi citado que tipo de componentes a empresa tem mente, mas rumores anteriores indicaram que Google estaria buscando desenvolver sua própria CPU e GPU para oferecer uma experiência única com seus produtos.

De acordo com Sundar Pichai, CEO da Google, a empresa está buscando ampliar a integração entre o hardware e o software para entregar uma experiência muito mais otimizada em futuros smartphones da linha Pixel. A ideia é “contribuir para uma inovação futura e desenvolver um sólido ecossistema”, comentou o diretor executivo.

A ideia é que não apenas os smartphones da linha Pixel tirem total proveito do hardware, mas também que consigam explorar o potencial de outros dispositivos da Google. O Google Home é uma central doméstica que traz o assistente pessoal da empresa para automatizar os seus dispositivos eletrônicos, mas também poderá ter total controle sobre os recursos do seu smartphone futuramente. »Continue lendo – Google vem trabalhando em integração mais profunda entre hardware e software…