A corrida espacial para Marte em 2017

marte

Poucos sabem da euforia de muitas empresas americanas em relação a corrida espacial a marte. O planeta vermelho tem atraído investidores peso pesado em sua possível colonização, muitos afirmam que estas empresas emergentes desenvolveram tecnologias mais evoluídas que a própria NASA.

O ano de 2016 foi significativamente animado, com uma coleção de histórias no mundo da tecnologia que poderiam muito bem protagonizar roteiros de ficção científica. De inteligência artificial que conseguiu derrotar um dos melhores do mundo em Go a Elon Musk com planos concretos para colonizar Marte, relembre as histórias mais ambiciosas – e algumas um bocado estranhas – que marcaram nossa editoria.

Quando diz que levará humanos a Marte, Elon Musk não está nem um pouco brincando. Prova de que o CEO da SpaceX está mais sério do que nunca em suas ambições interplanetárias é que neste ano ele, finalmente, apresentou detalhes de como pretende fazer isso.

O veículo encarregado de levar os primeiros humanos a nosso planeta vizinho será o Mars – criativo nome, aliás. A nave espacial será lançada da Terra em topo de um foguete propulsor e depois viajará o restante do caminho por conta própria. Após a decolagem o foguete propulsor e o Mars separarão quando este atingir a órbita. Então, o foguete voltará a Terra para depois decolar novamente levando nova carga de combustível ao veículo espacial. Finalmente, a espaçonave terá como destino Marte. Quando chegar, o veículo pousará na superfície, usando seus motores para desacelerar seu pouso com segurança. Os passageiros então usarão a carga com eles transportada para darem início a construção das habitações.

Mas claro, o processo de “conquista” de Marte não será feito em uma primeira viagem. Segundo Musk, serão necessárias entre 20 a 50 viagens, o que levará de 40 a 100 anos para conquistar uma civilização autossustentável e com 1 milhão de pessoas no planeta. Musk ainda não deu detalhes de como as pessoas viverão no planeta vermelho e como se alimentarão, assim como outras necessidades básicas, como preocupações relacionadas a saúde, microgravidade ou ainda radiação solar. Indagado sobre que tipo de pessoa Musk espera aceitar uma viagem arriscada como essa, ele disse que é preciso “senso de aventura”. Mas ressaltou que a viagem não será apenas de ida: “é importante dar as pessoas a opção de voltar”. E acrescentou que, em todo caso, “nós precisamos da espaçonave de volta”. Musk ainda disse que tem como meta tornar a viagem acessível para “qualquer pessoa”, com passagens para Marte a um custo médio de US$ 200 mil por pessoa. E quando ele espera enviar a primeira turma de aventureiros? 2024.

Quando diz que levará humanos a Marte, Elon Musk não está nem um pouco brincando. Prova de que o CEO da SpaceX está mais sério do que nunca em suas ambições interplanetárias é que neste ano ele, finalmente, apresentou detalhes de como pretende fazer isso.

O veículo encarregado de levar os primeiros humanos a nosso planeta vizinho será o Mars – criativo nome, aliás. A nave espacial será lançada da Terra em topo de um foguete propulsor e depois viajará o restante do caminho por conta própria. Após a decolagem o foguete propulsor e o Mars separarão quando este atingir a órbita. Então, o foguete voltará a Terra para depois decolar novamente levando nova carga de combustível ao veículo espacial.

Finalmente, a espaçonave terá como destino Marte. Quando chegar, o veículo pousará na superfície, usando seus motores para desacelerar seu pouso com segurança. Os passageiros então usarão a carga com eles transportada para darem início a construção das habitações.

Mas claro, o processo de “conquista” de Marte não será feito em uma primeira viagem. Segundo Musk, serão necessárias entre 20 a 50 viagens, o que levará de 40 a 100 anos para conquistar uma civilização autossustentável e com 1 milhão de pessoas no planeta. Musk ainda não deu detalhes de como as pessoas viverão no planeta vermelho e como se alimentarão, assim como outras necessidades básicas, como preocupações relacionadas a saúde, microgravidade ou ainda radiação solar. Indagado sobre que tipo de pessoa Musk espera aceitar uma viagem arriscada como essa, ele disse que é preciso “senso de aventura”. Mas ressaltou que a viagem não será apenas de ida: “é importante dar as pessoas a opção de voltar”.

E acrescentou que, em todo caso, “nós precisamos da espaçonave de volta”. Musk ainda disse que tem como meta tornar a viagem acessível para “qualquer pessoa”, com passagens para Marte a um custo médio de US$ 200 mil por pessoa. E quando ele espera enviar a primeira turma de aventureiros? 2024.

Fonte: IDGNow!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *